Buscar
  • Treinam Mentorias

O YouTube afirma que a renda dos músicos pode cair se for preciso pagar mais pelos streams

Matéria escrita por Mark Sweney e traduzida por Izabel Muratt A plataforma afirma que a legislação proposta pode ser tão difícil de aderir, que ela pode ter que bloquear o conteúdo musical.

A cantora e compositora indicada por Mercury, Nadine Shah, disse que está ganhando tão pouco com o os royalties do streaming, que está lutando para pagar o aluguel. O YouTube alertou que os esforços em termos legais da indústria da música para forçar a plataforma a pagar mais pelas músicas que transmite no Reino Unido, podem sair pela culatra e ter um efeito “potencialmente devastador” na renda de artistas e compositores. O YouTube, de propriedade do Google, há muito é acusado de explorar a "lacuna de valor" em seu negócio, uma referência ao que faz com a publicidade online em torno de videoclipes e a parcela dessa receita concedida a artistas e gravadoras. A questão, de longa data, voltou à tona em uma investigação lançada pelo seleto comitê de digital, cultura, mídia e esportes (DCMS) sobre a economia do streaming, que recebeu repetidos testemunhos de que a maioria dos artistas recebe uma mixaria em royalties digitais.

No início deste mês, David Joseph, presidente-executivo da Universal Music no Reino Unido, casa de estrelas como Taylor Swift, Lady Gaga e os Beatles, disse ao comitê que 70% da música de seus artistas é assistida e ouvida no YouTube, mas os royalties somam apenas 5% do faturamento da empresa. Em 2019, as gravadoras do Reino Unido ganharam apenas £ 35 milhões em royalties do YouTube, quase metade dos £ 66 milhões recebidos como corte nas vendas de discos de vinil.


As leis da União Europeia podem forçar o YouTube a iniciar o licenciamento de maneira semelhante a serviços como o Spotify, que estabelece uma taxa antecipada para o uso de um catálogo. Nas leis atuais, o YouTube pode hospedar músicas em seu site sem a necessidade de uma licença, com a empresa fechando acordos menos vantajosos com os proprietários dos direitos por uma redução na publicidade depois que a música já foi consumida pelos usuários. A indústria da música acredita que um sistema de licenciamento mais rigoroso, garantiria uma redução maior dos royalties da publicidade. No entanto, depois de deixar a UE, o Reino Unido disse que não vai implementar as novas leis. O comitê selecionado do DCMS ouviu os chefes da PPL e PRS - que coletam royalties para artistas e compositores quando as faixas são tocadas na mídia, como estações de rádio - que disseram que o governo do Reino Unido tem a chance de ir ainda mais longe do que a Europa para "garantir que mais dinheiro volte ao pote dos criadores.” Em uma submissão por escrito ao comitê DCMS, o YouTube disse que com mais de 500 horas de conteúdo de vídeo upado a cada minuto, a indústria musical global se beneficiou de $ 12 bilhões (£ 8,7 bilhões) em royalties desde janeiro de 2020. A empresa disse que é inteiramente possível que em 2025 ela supere todas as outras fontes como a “fonte de receita número um da indústria musical em 2025”, superando até mesmo o Spotify. O YouTube disse que uma legislação rigorosa pode ser tão difícil de cumprir, que a plataforma pode ter que bloquear o conteúdo musical para evitar violar a lei, o que acabaria com os royalties que os artistas recebem.

“Estamos preocupados que qualquer implementação exagerada de legislação desse tipo pode levar a requisitos vagos e não testados que podem resultar em serviços online que precisam bloquear o conteúdo para mitigar riscos legais potencialmente significativos”, disse o YouTube em sua apresentação. “Uma implementação tão ampla também arriscaria reduzir a receita das empresas de mídia e música tradicionais do YouTube e potencialmente devastadora para muitos criadores, artistas e compositores que construíram seus negócios em nossa plataforma.” A empresa usa suas próprias ferramentas de dados para identificar conteúdo musical protegido por direitos autorais, mas se um requisito legal completo fosse implementado, ela não poderia ter certeza se 100% dos detentores dos direitos estavam recebendo uma parte, colocando o YouTube em risco de uma ação judicial custosa. “Na indústria da música em particular, os dados sobre a propriedade dos direitos muitas vezes não são claros”, disse o YouTube. “Historicamente, é muito difícil para as plataformas obter todos esses dados. Esta falta de dados é o que poderia levar ao bloqueio excessivo [se a legislação fosse implementada]. Se você multiplicar esses riscos pela escala do YouTube ... o valor pode ser tão grande que nenhuma empresa, especialmente as startups, poderia assumir tal risco financeiro.” Estima-se que o YouTube tenha ganhado mais de US $ 18 bilhões com publicidade no ano passado e, em 2019, a empresa de análise Pex estimou que os vídeos musicais representaram 83% de todos os vídeos com mais de 1 bilhão de visualizações na plataforma. A empresa também opera um serviço de música por assinatura, o YouTube Music, que custa £ 9,99 por mês no Reino Unido, com mais de 30 milhões de usuários pagos. O inquérito do comitê DCMS ouviu o testemunho de uma série de músicos, do vocalista do Elbow Guy Garvey à cantora e compositora indicada pelo Mercury, Nadine Shah, que destacou as dificuldades que os artistas enfrentam para ganhar dinheiro com os pequenos royalties que os artistas recebem dos serviços de música digital. Garvey, que disse ao comitê que a próxima geração de bandas está sendo perdida porque não podem sustentar suas carreiras,e também disse que serviços como o Spotify e a Apple Music não estão cobrando dos clientes o suficiente. Pode levar mais de 1 milhão de streams para um artista fazer £ 1.000.


Em novembro, Shah disse ao comitê que, apesar de seu sucesso e popularidade, ela ganhou tão pouco com os royalties do streaming que, com eventos de música ao vivo e as turnês canceladas devido à pandemia, ela estava lutando para pagar o aluguel.

Matéria original: https://www.theguardian.com/music/2021/jan/31/youtube-says-music-artists-income-could-fall-if-it-must-pay-more-for-streams?fbclid=IwAR2R2rrKtR9xonJFQXAkI_fvJwroS82MgqPY41V-tSaIB5qLiG2DreTF5so

5 visualizações0 comentário