Buscar
  • Treinam Mentorias

Veja o que o Spotify, Apple e outros serviços desejam pagar a compositores a partir de 2023.

Escrito por Murray Stassen.

As grandes empresas de serviços de streaming de música, incluindo Spotify, Apple, Amazon, Pandora e Google, recentemente apresentaram propostas ao US Copyright Royalty Board ou CRB (Conselho de Direitos Autorais e Royalties) contendo o que eles acham que deveriam pagar aos compositores pelos cinco anos entre 2023 e 2027.


O CRB já tornou todas essas propostas públicas.


Antes destes registros se tornarem públicos, a National Music Publishers ’Association (Associação Nacional de Editoras Musicais) ou NMPA alegou que os serviços de streaming de música estavam tentando reduzir a quantidade de dinheiro que pagam aos compositores nos Estados Unidos para as " menores taxas de royalties da história ".


A NMPA apresentou sua própria proposta e está pedindo que a taxa básica atual (ou seja, a proporção da receita anual que um serviço paga aos compositores) seja aumentada para 20%.


Isso seria um aumento de 4,9% em relação à taxa de 15,1% que a NMPA garantiu no processo do CRB anterior, que atualmente está sendo apelado por empresas como Spotify, Amazon e Google.

Em uma recente entrevista ao Music Business Worldwide (MBW) Podcast, o CEO da NMPA, David Israelite, explicou por que a NMPA está exigindo que os compositores nos EUA obtenham efetivamente 20% da receita gerada por qualquer serviço de streaming.


Ele nos disse que “rejeita completamente a ideia de que [as empresas de streaming de música] não podem pagar taxas mais altas”.

“SEM AS MÚSICAS NÃO HAVERIAM GRAVAÇÕES - E NÃO HAVERIAM LOJAS DE MÚSICA.”

- DAVID ISRAELITE, NMPA

Escrevendo para um artigo da Billboard publicado na semana passada, Garrett Levin, CEO da Associação de Mídias Digitais (DiMA) - a organização que representa as empresas de streaming de música, incluindo Amazon, Apple Music, Google / YouTube, Pandora e Spotify - articulou o outro lado deste debate.


Levin concordou com o Israelite sobre um ponto, pelo menos: “Para que existam serviços de streaming e música, todos nós precisamos de compositores”.

“OS SERVIÇOS DE STREAMING OPERAM EM UMA PAISAGEM DE LICENCIAMENTO ALTAMENTE COMPLEXA QUE NINGUÉM TERIA PROJETADO SE ESTIVÉSSEMOS COMEÇANDO DO NADA."

- GARRETT LEVIN, DiMA, FALANDO VIA BILLBOARD

Levin também argumenta que há uma "aparente dissonância cognitiva entre manchete após manchete sobre o valor que o streaming oferece a toda a indústria musical com as afirmações muito vocais de que o streaming não valoriza os criadores".


Então, por que David Israelita está tão louco - e o que Garrett Levin está defendendo?


Quais são as taxas reais propostas por empresas como Google, Spotify e Apple para compositores nos Estados Unidos durante os cinco anos em questão?


MBW vasculhou cada um dos arquivos que foram tornados públicos.


Aqui, detalhamos exatamente o que cada empresa está pedindo, na linguagem mais simples possível.

SPOTIFY

O Spotify propõe em seu processo que a taxa de pagamento do compositor para 2023-2027 seja fixada em 10,5% das receitas de um serviço de streaming. Isso é quase metade do tamanho do que a NMPA está propondo.


Esses 10,5% também são a mesma proporção das receitas da taxa de royalties aprovada pelo CRB em 2017.


Lembre-se, em janeiro de 2018, o CRB anunciou a decisão histórica de aumentar esse 10,5% para 15,1% nos próximos cinco anos, uma decisão contra a qual Spotify, Amazon e outros (além da Apple) estão legalmente apelando.

Assim, com a proposta do Spotify de 10,5% da receita de serviço para 2023-2027 ser igual ao que foi pago em 2017, como pode o chefe da NMPA David Israelite afirmar que Spotify e todas as demais empresas propuseram "as taxas de royalties mais baixas da história"?


Isso se resume em como o Spotify propõe definir a receita sobre a qual esses 10,5% devem ser calculados.


Escrevendo em um novo artigo, David Israelite e Bart Herbison, Diretor Executivo da Nashville Songwriters Association International, argumentam que o Spotify propõe a taxa básica de 10,5% enquanto, ao mesmo tempo, "corta grandes partes de sua receita", e que "as fatias são tão extremas que, em alguns casos, podem chegar a zero receita por assinante ”.

Em 2018, quando o CRB determinou que a taxa de 10,5% paga por serviços de streaming aos editores subiria para 15,1% (em cerca de 1% ao ano), o CRB também determinou que os serviços deveriam, alternativamente, pagar aos editores até 26,2 % do TCC (Custo Total de Conteúdo) até 2022 (veja abaixo).



Além disso, o CRB determinou que este valor de TCC seria ilimitado a partir de 2018, o que significa que o cálculo de 26,2% poderia ser extraído de um valor ilimitado de royalties pago às gravadoras.


Spotify e Amazon argumentaram na época que "a decisão [do CRB] de liberar o custo total do conteúdo e aumentar as porcentagens usadas para calcular a receita e o custo total do conteúdo [são] arbitrárias e caprichosas".

Em seu novo depoimento, o Spotify argumenta que “desde 2015, a indústria da música passou por uma reviravolta histórica. Quase todas as semanas que passam trazem notícias de ganhos recordes para gravadoras e editoras musicais, e avaliações impressionantes para catálogos de publicação de música.


“O Spotify e outros serviços semelhantes estão entre as principais razões para essa mudança de 180 graus do estado da indústria uma década antes.”

“NÃO HÁ MOTIVO OU BASE PARA ALTERAÇÃO RADICAL [NA TAXA DE PAGAMENTO DOS SERVIÇOS DE TRANSMISSÃO PARA COMPOSITORES E EDITORAS].”

- SPOTIFY

A empresa ainda acrescenta: “Não há razão ou base para uma mudança radical." Consequentemente, neste processo, o Spotify pede ao Conselho para definir uma taxa básica que incorpora o negócio que um "comprador disposto" e "vendedor interessado", em um mercado efetivamente competitivo, entraria para continuar "crescendo o bolo" para todas as partes interessadas relevantes.


“Isso, por sua vez, significa preservar a abordagem predominante de hoje, um nível de taxa básica e estrutura que a indústria adotou duas vezes ao traçar seu curso atual de sucesso compartilhado, segundo o qual quanto mais dinheiro os serviços digitais ganham, mais royalties eles pagam, sujeito a uma variedade de modestas emendas aos termos técnicos que implementam a licença mecânica, refletindo a evolução do mercado. ”

GOOGLE

O Google propôs que as taxas 2023-2027 “permaneçam inalteradas” daquelas que foram “finalmente determinadas” no processo Phonorecords III para 2018-2022.


A determinação final dessas taxas (2017-2022) ainda não foi definida porque empresas como Google e Spotify estão apelando da taxa básica de 15,1% previamente acordada pelo CRB para o período.


Lembre-se de que a taxa de 15,1% foi um aumento na taxa CRB anterior (para pré-2018) de 10,5%.


Portanto, o Google está propondo 10,5% ou 15,1%, dependendo da decisão final dos juízes para 2018-2022.


No Music Modernization Act ou MMA (Ato de Modernização da Música), foi decretado que no próximo procedimento de fixação da taxa básica de royalties do compositor do CRB (para 2023-2027) deveria usar o padrão "comprador voluntário, vendedor voluntário" (WBWS), que em teoria veria uma taxa determinada pelos juízes como se os serviços e editores estivessem negociando eles próprios no mercado.

“AS EVIDÊNCIAS DO MERCADO DO MUNDO REAL SUGEREM FORTEMENTE QUE A MUDANÇA PARA O PADRÃO WBWS NÃO DEVE AFETAR SUBSTANCIALMENTE AS TAXAS E TERMOS ESTATUTÁRIOS, SE É QUE AFETARÁ EM ALGO”.

- GOOGLE

De acordo com o Google, “os editores podem argumentar que as taxas devem aumentar com a mudança para o padrão WBWS (todo o resto igual)”. No entanto, o Google acrescenta: “Presumivelmente, a base para este argumento seria que a "linguagem justa nos fatores da Seção 801 (b) (1) resultou em taxas legais estabelecidas em processos anteriores que foram suprimidas em relação a um resultado WBWS."


“No entanto, a evidência de mercado do mundo real sugere fortemente que a mudança para o padrão WBWS não deve afetar as taxas e os termos legais substancialmente, se é que afetará”.

APPLE

Como o Google, durante os cinco anos entre 2023-2027, a Apple sugere adotar a mesma taxa básica de título decidida pelos juízes nas negociações anteriores (Phonorecords III) (para 2018-2022), "desde que a taxa seja razoável de acordo com o padrão WBWS" .


Lembre-se, ao contrário do Google, a Apple não contestou a decisão do CRB de aumentar as taxas de royalties do compositor para 15,1% no período de 2018-2022.


No entanto, ao se basear no resultado desses procedimentos anteriores, a nova proposta da Apple (para 2023-2027) poderia significar uma taxa de 10,5% se os juízes ficarem do lado dos apelantes da ‘Big Tech’ da taxa de 2018-2022.

A Apple diz que sua estrutura de taxas proposta "é baseada em seus acordos diretos previamente negociados com as editoras, que oferecem uma estrutura simplificada para a negociação feita em Phonorecords II (e Phonorecords III), ao mesmo tempo que mantém a estrutura de taxa básica de porcentagem de receita total existente e mecânica em todo o acordo feito no Phonorecords II (e, provavelmente, Phonorecords III) ”.


Conforme observado por David Israelite da NMPA e Bart Herbison da NSAI em seu artigo recente, como o Spotify, a proposta da Apple em seu arquivamento para qual 'receita' deveria ser definida, poderia significar que os 10,5% (ou 15,1% dependendo de como os juízes vejam o recurso), poderia acabar sendo uma porcentagem “de um valor muito menor” da receita.


Além disso, a Apple propõe “eliminar” a ponta do TCC (“rede de segurança”), argumentando em sua proposta que “não é economicamente justificável nem compatível” com o padrão Comprador voluntário, Vendedor voluntário nesses procedimentos.


A Apple ainda acrescenta em seu processo, em uma referência às suas negociações com as gravadoras: “O TCC anula todo o trabalho cuidadoso deste tribunal ao impor taxas de um conjunto totalmente diferente de negociações com um conjunto inteiramente diferente de detentores de direitos para o processo.


“Isso é impróprio segundo um padrão WBWS, que supostamente analisa as negociações entre os proprietários do direito mecânico e os licenciados”.


A Apple continua: “O TCC também apresenta o poder oligopólico complementar das três principais gravadoras, Sony Music Entertainment, Universal Music Group e Warner Music Group.”

“PELO BEM DA INDÚSTRIA, ESTE PROCESSO DEVE GARANTIR QUE TODOS OS PARTICIPANTES DO ECOSSISTEMA DA MÚSICA SE BENEFICIEM DO CRESCIMENTO SAUDÁVEL DO STREAMING INTERATIVO DE FORMA JUSTA E EQUILIBRADA.” - APPLE Em outra parte do processo, a Apple sugere que: “Para o bem da indústria, esta negociação deve garantir que todos os participantes do ecossistema musical se beneficiem do crescimento saudável do streaming interativo de uma forma justa e equilibrada.

“As taxas e termos de royalties devem encorajar os criadores a criar e os serviços a serem inovadores ao conectar as músicas com os fãs e continuar a impulsionar o consumo pago de música em um mercado diversificado e competitivo que atende a uma ampla gama de consumidores." PANDORA

Como Spotify e Amazon, Pandora também propõe uma taxa básica fixada em 10,5% da receita de serviços para 2023-2027.


A empresa observa em seu processo que “as transações de marketplace não adotam uma abordagem de tamanho único, e a Pandora respeitosamente defende que as taxas estatutárias também não devem fazê-lo”.


“AS TRANSAÇÕES DE MARKETPLACE NÃO TOMAM UMA ABORDAGEM DE TAMANHO ÚNICO E A PANDORA RESPEITOSAMENTE ACREDITA QUE A DEFINIÇÃO DE TAXA ESTATUTÁRIA TAMBÉM NÃO DEVERIA FAZÊ-LO”.

- PANDORA

A empresa também acrescenta: “Embora as preocupações expressas por editores musicais em procedimentos anteriores do CRB de que os serviços possam envolver-se em diferimento de receita ou de outra forma cobrar taxas abaixo do mercado, isso não se aplica às ofertas de produtos da Pandora - a Pandora tem procurado agressivamente maximizar a receita que gera via streaming interativo.”


“A proposta de Pandora acomoda essas preocupações ao incorporar uma taxa básica alternativa que consiste em uma porcentagem limitada dos pagamentos feitos por serviços a gravadoras, pelos direitos de gravação de som para os mesmos produtos (referido no jargão da indústria como“ custo total do conteúdo ”ou“ TCC ”).


“Como as taxas de gravação são infladas pelo poder de mercado das principais gravadoras, o limite é uma característica importante desta taxa alternativa proposta para ofertas de assinaturas autônomas”.


AMAZON

A Amazon, que opera a Amazon Music, propõe uma taxa básica de 10,54% da receita de streaming de música para editores / compositores.


Além disso, acusa as editoras musicais, em conjunto com as gravadoras, de exercer “poder de oligopólio complementar” no mercado.


Em vez da “rede de segurança” mencionada anteriormente - uma porcentagem do TCC - a Amazon propõe o que chama de “barreiras não baseadas em receita” para suas camadas pagas.


Isso sugere que eles deveriam ter “um piso total de 80 centavos por assinante por mês para o nível portátil-autônomo e 40 centavos por assinante para o nível não portátil mais barato”.


De graça, a Amazon propõe o que chama de percentual de “backstop” de TCC de 19,1%, que diz “espelhar aproximadamente a estrutura acordada” nos procedimentos do Phonorecords II.

Para o Prime Music, a Amazon propõe uma taxa única e total de $ 0,00085 por play.


Acrescentou a Amazon no processo: “Esse padrão exige que os juízes agora desconsiderem as considerações de política que (incorretamente) estimularam um aumento na taxa mencionada no Phonorecords III. Em vez disso, os juízes devem definir taxas e termos que prevaleceriam em um mercado hipotético caracterizado por "concorrência efetiva".


“Mas o segmento de mercado do mundo real em questão não é efetivamente competitivo. As editoras musicais, ainda mais do que as gravadoras, evitam a competição de preços. Seus direitos são complementos, não substitutos.


“Este caso oferece aos juízes a oportunidade necessária para examinar essas taxas novamente. Com um novo padrão legal e melhores evidências econômicas, os Juízes agora devem definir taxas em níveis que prevaleceriam em um mercado efetivamente competitivo. Ao fazer isso, os juízes devem se ajustar aos efeitos do poder de oligopólio complementar que as editoras e gravadoras exercem ”.



Matéria na íntegra aqui.

3 visualizações0 comentário