fundo_bco.png
Buscar

Escrito pelo time editorial do TikTok. Traduzido por Izabel Muratt.

O relatório de tendências TikTok está aqui: Descubra o que vem a seguir Nos últimos 12 meses, vimos grandes mudanças nos interesses e no comportamento dos consumidores - mudanças que provavelmente permanecerão conosco no futuro próximo, se não, para sempre. Com grande parte do mundo vivendo sob lockdown, muitas dessas tendências estão sendo expressas digitalmente, à medida que milhões de pessoas, de todas as idades, recorrem ao TikTok para criar, descobrir e se conectar em uma grande variedade de tópicos.

Estar à frente em 2021

Para as marcas, entender quais tópicos estão se tornando mais importantes para o público é inestimável. Não só fornece uma visão sobre quando e onde novas tendências podem surgir, mas também permite que elas permaneçam conectadas com os consumidores e desempenhem um papel significativo em suas vidas.

Com base no desempenho de quase um ano, identificamos as categorias de conteúdo que mais cresceram e as que permaneceram entre as mais populares no TikTok em 2020. Essas categorias continuarão a moldar a plataforma em 2021, mas ao mesmo tempo, esperamos que a comunidade TikTok apresente muito mais novas tendências e tópicos. Como ela sempre faz.

Principais categorias de conteúdo global no TikTok

Observando o desempenho da TikTok em 19 mercados globais, uma coisa é clara: em 2020, a comunidade TikTok consumiu e criou conteúdo sobre uma variedade de tópicos despercebidos anteriormente, cobrindo tudo, desde comédia a culinária e videogames a animais de estimação.


Os eventos sem precedentes de 2020, que tanto definiram nossas vidas cotidianas, certamente tiveram uma influência nas principais categorias de conteúdo. Com mais pessoas ficando em casa, o conteúdo relacionado à culinária ganhou um grande impulso, enquanto o desejo de se conectar com a natureza (de longe) levou a um crescimento massivo em categorias como Pecuária e Aves, Camping e Natureza. Ao mesmo tempo, filmes, programas de TV e videogames nos ajudaram a superar o tédio do lockdown. E mais do que nunca, as pessoas queriam saber o que estava acontecendo no mundo, levando a um crescimento massivo de conteúdo relacionado a Notícias e eventos.

Visão geral local

Embora o conteúdo do TikTok viaje livremente entre países e regiões, haviam nuances regionais em cada um de nossos 19 relatórios, referente aos países consumidores da plataforma.

Quando se tratava de voyeurismo culinário, a Coreia levou o bolo, enquanto na Tailândia nossa comunidade adotou o compartilhamento de receitas e a revisão de ingredientes. E quando os japoneses TikTokers redescobriram seu amor por anime, os egípcios se alegraram em ouvir as canções há muito esquecidas de sua infância. Para descobrir mais, baixe nossos relatórios regionais aqui. Matéria original: https://www.tiktok.com/business/en/blog/our-tiktok-trend-report-is-here-discover-whats-next


4 visualizações0 comentário



Estão abertas as inscrições para a Treinam (Turma Remota de Ensino Intensivo para Artistas Mulheres), programa de mentorias capitaneado por um time de mulheres profissionais do music business dedicado à musicistas em início de carreira que estejam buscando a profissionalização e conhecimento sobre ferramentas para autogerenciamento do trabalho na música.


O programa, considerado uma das três startups mais importantes da música de 2020 pela Sim São Paulo, oferece mais de 90 horas de conteúdo com aulas que abraçam temas como gestão criativa da carreira, produção artística, assessoria de imprensa e media training, gestão de mídias sociais, personal branding, design e fotografia, educação financeira, direito autoral, propriedade intelectual, distribuição da música entre outros temas.



O ingresso na Treinam ocorre por processo seletivo e as interessadas devem se inscrever no site www.treinam.com.br. São quatro meses de mentoria e os encontros acontecem virtualmente via aplicativo zoom todas às terças e quintas-feiras, das 19h30 às 21h30.


Inscreva-se no site www.treinam.com.br


As aulas têm início em 16 de março com uma aula magna ao lado de uma convidada especial do mercado da música para dividir experiências e inspirar as alunas. No ano passado, na turma inaugural, a Treinam recebeu Lio e Lay, da banda Tuyo.


Em 2020, a Treinam atendeu 25 alunas de todas as regiões do Brasil com diferentes sotaques e realidades e, neste ano, ampliou o programa oferecendo 35 vagas, além de expandir também a quantidade de aulas, de conteúdos e de professoras convidadas. Em 2020, o programa contou com a participação de experts como a pesquisadora Daniela Ribas (Sonar Cultural), Flávia César (Warner Chappell), Dani Rodrigues (Foco na Missão) e Paula Novo (Ecad).

Para uma vivência real do mercado, a Treinam oferece às alunas a simulação de um pitch de negócios com agentes reais do mercado da música. No ano passado, para as sessões de ensino de pitch, a Treinam contou com um time formado por representantes de grandes marcas que atuam no mundo das artes como Eliane Dias (Boogie Naipe/Racionais MCs), Eduardo Saron (Itaú Cultural), Renata Gomes (Ingrooves Brasil), Luciana Adão (Oi Futuro), Carlos Dias (Lab Fantasma), Leonardo Moraes (Sesc Nacional) e Fernanda Paiva (Natura Musical).


Os indicadores da primeira turma coletados pela equipe da Treinam apontaram que 64,9% das alunas apresentaram saltos expressivos no nível de conhecimento sobre os conteúdos após a finalização do treinamento, caminhando do nível de proficiência abaixo do básico para o proficiente, e 70% declarou ter mais segurança e clareza em seus propósitos artísticos após o processo de mentoria.


A Treinam é formada por uma premiada equipe multidisciplinar de especialistas e mestres de diferentes áreas do conhecimento, são elas: Julie Sousa (Community Manager), Aryane Sánchez (Gestão Cultural), Izabel Muratt (Produção Executiva), Dride (Identidade Visual), Nathalia Moura (Branding) e Isis Correia (Imprensa).



Serviço - Inscrições para processo seletivo Treinam 2021/ Turma 1

Quando: de 18/02 à 27/02

Onde: formulário no site treinam.com.br

Siga a Treinam: instagram.com/treinammulheres

Ouça a Treinam: bit.ly/spotify-treinam

5 visualizações0 comentário

Matéria escrita por Didier Martin, e traduzida por Izabel Muratt.



A seguinte matéria da MBW vem de Didier Martin, o CEO da Outhere Music. Outhere é uma empresa musical com sede em Paris e lar de gravadoras clássicas como a Alpha Classics, que conta com duas ganhadoras do Grammy dos Estados Unidos entre seus artistas: Barbara Hannigan (soprano e maestra) e Patricia Kopatchinskaja (violino). Alpha Classics foi nomeada para o prêmio de Gravadora do Ano pela revista Gramophone em 2020. Aqui, Martin argumenta que, para certos gêneros, não há tempo a perder para uma mudança para o licenciamento centrado no usuário em plataformas de streaming. Como MBW escreveu muitas vezes antes, serviços como o Spotify atualmente operam um modelo de royalties "pro rata" (ou "um grande pote"), em que a maior parte de todo o dinheiro pago pelos assinantes é agrupado e, em seguida, pago com base na fatia que cada gravadora/artista alega que possui dentro de todos os streams. Isso significa que o dinheiro pago por assinantes individuais é pago regularmente a artistas que eles nunca ouviram. Em vez disso, um modelo "centrado no usuário" veria a assinatura de US $ 9,99 de um indivíduo paga com base apenas no que aquele indivíduo ouviu - ou seja, compartilhada apenas entre os artistas e compositores que o indivíduo deu play naquele mês. Abaixo, Martin faz referência a uma análise publicada recentemente pelo Centre National de la Musique (CNM) e Deloitte, que apresentou os números sobre o que essa mudança de pagamento pode significar para gêneros individuais na França. O estudo descobriu que tal movimento faria com que as receitas de streaming para música clássica aumentassem em cerca de 24%, enquanto rap e hip-hop (contados como gêneros separados) seriam impactados negativamente, com uma redução de 21% e 19% nos respectivos royalties.

Apesar dessa redução, o rap e o hip-hop, disse o relatório da CNM, - quando combinados - continuariam sendo o maior gênero de streaming na indústria. Seguimos para Didier:

Um estudo publicado pelo Centre National de la Musique (CNM) no mês passado tem o mérito de ser a primeira análise séria sobre as consequências de uma possível mudança na remuneração do streaming de audição de um modelo “pro rata” para um “user centric” modelo.

A principal lição do estudo é que os dados atualmente disponíveis são insuficientes para tirar uma conclusão confiável. Apenas duas plataformas responderam ao estudo (Deezer e Spotify) e os dados fornecidos eram inconsistentes. Portanto, mais estudos são necessários - provavelmente ao longo de alguns anos - tendo em vista a falta de boa vontade de alguns agentes do setor musical.

No entanto, esperar não é uma opção, porque o streaming agora se tornou o modo predominante de escuta. O CD player está desaparecendo; o download não está disponível de maneira ampla e prática.

Todo mundo está mudando para streaming pago, até mesmo pessoas mais velhas. A atual crise de saúde está acelerando essa mudança em direção às ferramentas digitais.

O atual sistema de pagamento por streaming “pro rata” foi estabelecido em uma época em que esse formato era bastante marginal; baseou-se em assinantes (principalmente jovens) que ouviram de forma consistente ao longo do dia canções formatadas durante uma duração média de cerca de 3 minutos e 30 minutos. A distribuição das receitas de streaming foi, portanto, feita com base na audiência geral e em uma faixa que foi ouvida por pelo menos 30 segundos.

Hoje, o streaming é praticado por pessoas de 7 a 99 anos, em todos os gêneros, de músicas de 3 minutos a sinfonias clássicas, onde cada movimento (e, portanto, cada faixa) pode durar 20 minutos! Os hábitos e durações de escuta de um setor da população em comparação com outro são extremamente diferentes.

"Um sistema de distribuição baseado no que os assinantes ouvem, como um todo, não é mais válido."

Um sistema de distribuição baseado no que os assinantes ouvem como um todo, não é mais adequado. O estudo da CNM mostra que hoje 30% dos ouvintes de streaming intensivo geram 70% do total de streams ... e, portanto, ditam para onde vai 70% do dinheiro.

Existe, portanto, um fenômeno de sucção de receitas para certos repertórios, ouvida em loop pelos maiores consumidores de streaming. Sabemos até que alguns artistas estão sendo pressionados a reduzir deliberadamente a duração de suas canções para 2 minutos, a fim de maximizar a receita por faixa!

Este é o efeito perverso de um sistema ilógico.

Esse sistema deve mudar agora, porque se as receitas geradas forem muito baixas para certos gêneros / repertórios, elas simplesmente desaparecerão, pois ninguém pode mais se dar ao luxo de produzir essa música.

O CNM escreve que a redistribuição de renda em um modelo “centrado no usuário” seria “na realidade muito limitada”. Mas os números, tal como são, simplesmente não permitem que ninguém afirme isso.

No que diz respeito a especialistas como gravadoras de música clássica, um aumento de 24% na receita de streaming (de acordo com o estudo) está longe de ser “limitado”!

“Esse é o efeito perverso de um sistema ilógico.”

Note que por trás desse aumento de 24% para o clássico e uma queda de 21% no rap mostra que, na realidade, em nada mudariam o equilíbrio do mercado: o rap permaneceria muito dominante e o clássico um interesse minoritário, o que é bastante lógico.

O reequilíbrio ocorreria apenas nas margens, mas permitiria que alguns sobrevivessem e continuassem investindo na arte que defendem.

A CNM, acertadamente, denuncia a França por ficar atrás de seus vizinhos europeus em termos de assinaturas de streaming.

Para aumentar o número de assinantes, deve ser adotado um sistema de receitas transparente, lógico e justo. Devemos permitir que as pessoas tenham certeza de que “eu assino e o que eu pago vai para os artistas que escutei”.

Em vez de lançar anos de estudos de impacto e debates, ações devem ser tomadas agora para salvar a diversidade criativa da música:

  • Incitando todas as plataformas a mudarem seu método de remuneração: pagar aos detentores de direitos com base no que cada assinante ouviu de acordo com seu tempo de escuta.

  • Em um momento em que o consumo responsável e respeitoso está em alta, tanto os artistas quanto os amantes da música podem pressionar por uma mudança mundial no sistema.

  • A legislação é necessária? Seria uma honra para a França, o país de Beaumarchais. O CNM deve investigar a viabilidade de tal medida em escala nacional.

  • Nesse ínterim, vamos criar um "fundo de correção de distorção de compensação" ou "fundo de apoio à diversidade musical", que seria complementado por plataformas de streaming e que direcionaria a ajuda financeira para a gravação de gêneros / repertórios desfavorecidos pelo sistema atual.

  • Os custos técnicos da mudança do sistema são apontados pelo estudo como um obstáculo. Uma rede mundial da indústria musical poderia financiar esses custos. É uma questão de sobrevivência!

  • Por último, o estudo justamente apela a um esclarecimento do sistema que trata dos algoritmos das plataformas que empurram um título em vez de outro… O CNM poderia negociar com todos os parceiros um código de boa conduta e transparência nesta área.


Aproveitemos também esta mudança de modelo para pedir às empresas de streaming que melhorem os serviços oferecidos aos seus assinantes dando-lhes um nível de informação equivalente ao CD antigo, com livretos completos, mesmo que isso signifique oferecê-los um pacote de assinatura premium ligeiramente mais caro.

Ao mesmo tempo, vamos continuar a discutir como compartilhar essas receitas ‘downstream’, entre músicos, compositores e todos os envolvidos na produção. Os músicos têm razão em exigir mais clareza sobre o assunto e uma melhor participação no valor da música, especialmente neste momento de crise com a Covid 19, em que os shows são cancelados e direitos conexos estão em declínio.

“Os músicos têm razão em exigir mais clareza sobre o assunto e uma melhor participação no valor da música.”

Numa altura em que a música nunca esteve tão presente na vida de todos, quando com uma mensalidade se pode ouvir a sua música favorita ou descobrir algum outro género onde e quando quiser, vamos adotar um sistema de remuneração justo, claro e lógico.

Vamos ser transparentes com o nosso público.

Matéria original: https://www.musicbusinessworldwide.com/the-streaming-music-industry-must-switch-to-a-fair-and-logical-payout-model-there-is-no-time-to-lose/


18 visualizações0 comentário

Todos os direitos reservados | TREINAM 2021