blog-titele.png
fundo_bco.png
Buscar

A Treinam (Turma Remota de Ensino Intensivo para Artistas Mulheres) firmou parceria com uma das mais importantes instituições de fomento a arte no Brasil, o Itaú Cultural, para levar cinco artistas-alunas que se formaram durante os quatro meses de mentorias da Treinam e foram selecionadas pela instituição durante as apresentações de pitch de 2021 deste que é o único curso da América Latina de Gestão de Carreira e Music Business dedicado exclusivamente à mulheres.


No dia 13 de outubro, às 20h, a cantora e compositora Dêza se apresenta com canções de seu álbum autoral "Desanuviar". A artista é referência na música contemporânea no estado de Alagoas.


Na quinta 14 de outubro, às 20h, a cantora e compositora carioca Beatrice mostra músicas do seu EP "Vingança" e apresenta seu novo projeto "Afeto Clandestino".O repertório transita entre o brega, o blues e o pop, incorporando referências latinas.


No dia 15 de outubro, às 20h, Carú Lina se apresenta com um som que mistura vertentes do rap, do reggae e do R&B a regionalidades da música brasileira, como samba, forró e maracatu, tendo a luta social e o multiculturalismo como centralidade.


No sábado 16 de outubro, às 20h, Gaivota Naves faz um show inédito com diversas composições de sua autoria e canções de compositores parceiros. O repertório também conta com interpretações de músicas de artistas contemporâneos e clássicos eternos com um toque especial, explorando junções de diversas linguagens musicais brasileiras, somando jazz, MPB, rock, indie e eletrônico.


No dia 17 de outubro, às 20h, a cantora e compositora paulistana Vivi Rocha se apresenta com um repertório autoral que faz parte de seus trabalhos desde 2018, quando lançou o álbum "Entreatos". No show, ela também canta as músicas do EP "Impulso" e o single mais recente, "Amanhã o sol", que antecede seu próximo disco, com lançamento previsto para 2022.


Todas as transmissões são gratuitas e 100% virtuais pela plataforma Zoom. Os ingressos devem ser retirados com antecedência pela plataforma Sympla. Dêza: https://www.sympla.com.br/deza__1351331

Beatrice: https://www.sympla.com.br/beatrice__1351335

Carú Lina: https://www.sympla.com.br/caru-lina__1351338

Gaivota Naves: https://www.sympla.com.br/gaivota-naves__1351341

Vivi Rocha: https://www.sympla.com.br/vivi-rocha__1351344


Sobre a Treinam

Treinam (Turma Remota de Ensino Intensivo para Artistas Mulheres) é uma iniciativa pioneira que capacita mulheres a empreender no mundo da música. Eleita como uma das três startups de música mais relevantes de 2020 pela SIM São Paulo (Semana Internacional da Música), a Treinam surgiu durante a pandemia, de mulheres profissionais da música de diversos setores como produção, gestão, comunicação e design, para promover a formação e autonomia na carreira de musicistas iniciantes que almejam o mercado profissional.

Sem fins lucrativos, a Treinam tem como missão fundamental a equidade de gêneros no mercado musical além do fomento de artistas negras, indígenas e não-brancas com foco além-eixo sul e sudeste fortalecendo diferentes vozes e sotaques no mercado.

As duas turmas da Treinam formadas em 2020 e 2021 atenderam um universo de 60 mulheres das cinco regiões do Brasil e dedicou 20% das vagas à bolsistas com ênfase nas comunidades negra, indígena, LGBTQIA+ em vulnerabilidade econômica. Foram quatro meses de mentorias ao vivo e relacionamento em comunidade além-aula com as professoras idealizadoras do projeto e profissionais convidadas.

Na grade curricular estão temas centrais como Gestão de Carreira, Noções do Mercado da Música, Personal Branding, Assessoria de Imprensa, Design e Produção Artística com uso de metodologia própria, inédita e dedicada exclusivamente à Treinam. Estiveram na Treinam convidadas para falar ou dar aulas que representam o universo feminino frente a grandes marcas do mercado da música e mostram um início de virada da liderança de cargos majoritariamente masculinos. Foram elas: Fernanda Paiva (gerente Natura Musical), Flávia César (gerente comercial Warner Chappell), Eliane Dias (diretora da produtora Boogie Naipe/Liniker/ Racionais MCs), Paula Novo (Ecad), Dani Rodrigues (CEO Foco na Missão/Rashid), Daniela Ribas (Sonar Cultural), Luciana Adão (coordenadora de patrocínios Oi Futuro), Renata Gomes (Ingrooves Brasil/ Sony), Alessandra Ianhez e Elis Cornejo (psicólogas) e Lio e Lay da banda Tuyo, Bianca Jhordão, Mônica Agena entre outras.

Os estudos são divididos por módulos e, ao final de cada um, as alunas passam por diversas tarefas relacionadas aos conteúdos e finalizam o processo passando por uma experiência única em termos de ensino do music business: para ter a real dimensão real do setor musical, elas participam de um pitch de venda real como no mercado formal da música.

A Treinam submete as alunas a uma banca avaliadora formada que em suas duas edições contou com os maiores nomes do mercado musical e representantes de grandes marcas que atuam no mundo das artes, como: Eliane Dias (Boogie Naipe), Eduardo Saron (Itaú Cultural), Renata Gomes (Ingrooves Brasil), Luciana Adão (Oi Futuro), Carlos Dias (Lab Fantasma), Leonardo Moraes (Sesc Nacional) e Fernanda Paiva (Natura Musical) entre outros.

A Treinam é formada por uma premiada equipe multidisciplinar de especialistas e mestres: a baterista Julie Sousa (Community Manager e Treinamento de Pitch), a produtora Izabel Muratt (Produção Executiva), a designer Dride (Identidade Visual), a profissional de marketing Nathalia Moura (Branding) e a jornalista Isis Correia (Imprensa e Redes Sociais).

5 visualizações0 comentário

Escrito por Ashleigh Millar. Traduzido por Izabel Muratt.

Conhecemos o TikTok e seu impacto na indústria musical, que está mudando a estrutura do negócio, um vídeo viral por vez. Artistas e compositores estão migrando para o aplicativo de mídia social inovador na esperança de encontrar um sucesso musical, semelhante ao de 24KGoldn e Nathan Evans. Muitos músicos têm usado habilmente a plataforma como uma ferramenta de marketing para promover suas habilidades musicais, turnês, etc. Agora, outros estão usando-a para facilitar o contínuo desenvolvimento da criação-consumo, onde o público tem potencialmente tanta contribuição criativa quanto o artista.

Um produto criado pelo fã é a chave para um produto de sucesso

Inspirado na série de sucesso da Netflix, Bridgerton, a dupla de compositores Barlow & Bear decidiu embarcar em um projeto apaixonado: criar um álbum musical não oficial de 15 faixas baseado no enredo do programa. O que faz este projeto em particular se destacar dos outros é que a Barlow & Bear incluiu seus seguidores e fãs em todos os aspectos do projeto, transmitindo ao vivo o processo de composição e produção, permitindo assim que seu público comentasse, sugerisse ideias e expressasse seu gosto e desgosto em tempo real, em vez de simplesmente lançar teasers de faixas já escritas. Isso permitiu que os compositores não apenas criassem entusiasmo em torno do álbum por meses antes de lançarem o projeto, mas também criassem músicas que realmente refletissem os desejos de seus ouvintes.

A contribuição do TikTok para a sobrevivência digital está dando uma nova vida aos lançamentos de álbuns

Então, o que esse novo método de composição e marketing significa para a indústria musical focada em streaming? No mundo pós-álbum, onde novas músicas estão prontamente disponíveis ao nosso alcance e, sem dúvida, mais descartáveis ​​do que nunca, graças à economia de atenção supersaturada, as empresas de entretenimento estão tentando criar campanhas para lutar pela atenção de seu público. De acordo com pesquisas da MIDiA, apenas 12% dos consumidores ouvem álbuns completos em serviços de streaming, em comparação com 22% daqueles que adicionam faixas à lista de reprodução do serviço de streaming mensalmente. Seria, portanto, razoável esperar que o caminho mais popular para o sucesso do marketing fosse o lançamento de um single, com o objetivo de chegar às paradas da Billboard ou aparecer em uma playlist popular. Mas adotar uma abordagem de fusão de mídias, combinando formatos diferentes, pode ajudar a ressuscitar o álbum. Permitir que o público desenvolva um investimento emocional no produto musical ao longo do processo de composição, bem como dar a oportunidade de interagir com a narrativa do projeto utilizando as ferramentas digitais disponíveis, pode ser o próximo passo para os álbuns. Por exemplo, no caso de The Unofficial Bridgerton Musical, os TikTokers escreveram roteiros, coreografaram danças, criaram cenários e figurinos inspirados nos trechos das músicas de Barlow & Bear que foram lançados na plataforma. Isso ocorreu até mesmo nos estágios primários da concepção do projeto.

Esta técnica é especialmente válida para os usuários ativos semanalmente no TikTok, que indexam significativamente o streaming de música diariamente, além de indexarem em excesso o tempo médio gasto ouvindo música semanalmente - variando entre seis horas e mais de 20 horas.

As descobertas musicais do TikTok transcendem a plataforma de mídia social

Após o lançamento do projeto de Barlow & Bear, os fãs se aglomeraram em plataformas de streaming para ouvir o trabalho final. No dia do lançamento, o álbum disparou para o número 1 nas paradas pop do iTunes, antes de se estabelecer em um confortável 6o lugar no fim de semana. Ele também acumulou mais de 10 milhões de streams apenas no Spotify, desde seu lançamento há menos de um mês. Um grande feito para artistas independentes. Isso demonstra que colaborar com fãs em plataformas de mídia social em tempo real pode criar um projeto único e personalizado com o qual o público pode se envolver profundamente e investir antes do lançamento, cujo resultado positivo pode transcender da mídia social para a esfera de streaming de música.

O chefe global de música da TikTok, Ole Obermann, revelou em uma entrevista recente que a fusão de mídia na TikTok só continuaria a ajudar a expandir e desenvolver as carreiras dos músicos, assim como fez com Barlow & Bear. Ele explica que os músicos devem usar o recurso de vídeo do TikTok como impulso para promover seus projetos, acrescentando que eles “estão muito entusiasmados com o papel que o TikTok pode desempenhar na transmissão ao vivo.”

Neste "novo mundo normal" em que vivemos, pós-pandemia, o contínuo ciclo de criação-consumo será o novo costume quando se trata de fazer e se envolver com entretenimento. As linhas entre a criação e o consumo de um produto agora estão borradas e não há mais um ponto inicial e final firmes. O público está presente desde a concepção e não terá o mesmo apego emocional se for deixado de fora do processo, sendo entregue a ele apenas o produto finalizado.

Talvez não manter o processo criativo em segredo seja o novo segredo mais bem guardado do mundo da música ...


Leia a matéria original aqui.

6 visualizações0 comentário
A plataforma de vídeos está procurando alguém para gerenciar o número crescente de podcasts enviados todos os dias Escrito por Lucas Shaw. Traduzido por Izabel Muratt. O YouTube está procurando contratar ume executive para supervisionar seu negócio de podcasting, uma nova posição para a gigante do vídeo e um sinal de que seu pai, o Google, da Alphabet Inc., está começando a levar a categoria a sério.
O YouTube já é um dos principais destinos para ouvintes de podcast, com muitos produtores criando vídeos enquanto gravam episódios e os enviam para o site. “The Joe Rogan Experience”, um dos maiores podcasts do mundo, tem mais de 11 milhões de assinantes no YouTube. E alguns YouTubers populares, como Logan Paul e h3h3, se ramificaram em podcasts.
Mesmo assim, o YouTube até agora fez pouco para personalizar seu aplicativo ou site para ouvintes de podcast, com equipes da divisão de aplicativos móveis do Google cuidando do trabalho. Agora o YouTube está em busca de um profissional para organizar e administrar os milhões de podcasts que já existem no site, afirmou um porta-voz. Podcasting é um pequeno negócio, quando comparado ao de vídeo online. O YouTube gerou quase 20 bilhões de dólares em vendas de publicidade no ano passado, enquanto todo o negócio de podcasting não ultrapassou $1 bilhão nos EUA. Mas as vendas de publicidade em podcast devem dobrar este ano.
Muitos dos concorrentes do Google competem por ouvintes de podcast. O Spotify, por exemplo, gastou bilhões de dólares comprando empresas de podcasting e programas, enquanto a Amazon e Apple estão começando a investir mais no segmento. O Spotify também começou a se envolver em podcasts de vídeo - conhecidos como vodcasts - e limita a duração dos vídeos que Rogan pode postar no YouTube.
Os podcasts tiveram algumas casas diferentes no Google. Eles foram primeiro inseridos no Play Music, um serviço que foi encerrado para abrir caminho para uma oferta com a marca do YouTube. Em seguida, o Google os moveu para um aplicativo dedicado no Android.


Leia a matéria original aqui.
5 visualizações0 comentário