top of page
blog-titele.png
fundo_bco.png
Buscar


Se você é uma musicista determinada a alcançar novos patamares na sua carreira, o TREINAM TALKS é a oportunidade que você esperava. Neste evento exclusivo para mulheres da música, você terá acesso a conhecimento especializado e estratégias práticas para se destacar no mercado musical. Vamos explorar os motivos pelos quais participar do TREINAM TALKS pode ser o passo decisivo para transformar sua carreira.

Um Evento Feito Para Você

O TREINAM TALKS é mais do que um simples evento; é um movimento dedicado a capacitar mulheres na música. Nossa missão é fornecer um espaço seguro e acolhedor onde você pode aprender, crescer e se conectar com outras profissionais da música. Com uma programação cuidadosamente elaborada, oferecemos workshops que abordam temas cruciais para sua trajetória.

Programação Imperdível

"Não é só fazer planilha: Produção Artística pra quem não sabe o que é isso" com Izabel Muratt

A produção artística pode parecer um desafio complexo, mas com a orientação certa, você pode dominar essa habilidade essencial. Izabel Muratt, uma mestre em empreendedorismo cultural com vasta experiência em grandes festivais, irá guiá-la através de todos os processos, desde a pré-produção até a pós-produção. Aprenda a otimizar suas atividades e garantir a qualidade em cada etapa, utilizando ferramentas práticas como planilhas de organização.

"Você marca e é marca: Personal Branding pra musicistas marcantes" com Nath Moura

Em um mundo onde a imagem e a presença digital são cruciais, entender e construir sua marca pessoal é vital. Nath Moura, especialista em personal branding e marketing digital, compartilhará estratégias para você se posicionar de forma autêntica e impactante. Descubra como comunicar sua mensagem de maneira clara e coerente, atraindo a atenção que sua música merece.

"Pitch, Bitch! Vendendo seu projeto na música" com Julie Sousa

Saber vender seu projeto é tão importante quanto criar uma boa música. Julie Sousa, uma empreendedora cultural premiada e baterista recordista mundial, ensinará você a dominar a arte do pitch. Aprenda a apresentar suas ideias de forma encantadora e segura para investidores e outros profissionais do setor, aumentando suas chances de sucesso.

Conheça Nossas Mentoras

Nossas mentoras são referências em suas áreas, trazendo uma combinação única de conhecimento teórico e experiência prática.

  • Julie Sousa: Idealizadora da @hihatgirls e da TREINAM, Julie é uma líder no cenário musical com uma trajetória inspiradora. Sua experiência como mentora e curadora de conteúdo de Music Business fará toda a diferença na sua formação.

  • Nath Moura: Com mais de 13 anos de experiência em marketing digital e estratégia, Nath trabalhou com grandes empresas e se dedica a ajudar musicistas a construírem marcas pessoais fortes e coerentes.

  • Izabel Muratt: Mestre em empreendedorismo cultural e produtora artística renomada, Izabel já atuou em alguns dos maiores eventos musicais do mundo. Sua expertise em produção artística proporcionará a você uma visão completa e detalhada dos processos envolvidos.

Por Que Participar?

  • Networking Exclusivo: Conecte-se com outras mulheres da música e construa relações que podem abrir portas para futuras colaborações e oportunidades.

  • Aprendizado Prático: Nossas aulas são desenhadas para fornecer ferramentas práticas e aplicáveis, facilitando a implementação imediata em sua carreira.

  • Empoderamento: Participe de um evento que valoriza e promove o talento feminino, ajudando você a ganhar confiança e visibilidade no mercado.

Detalhes do Evento

Data: Sábado, 20 de julho Horário: Das 9h às 12h Local: Casa do Roadie, Rua Henrique Schaumann, 1109 - Pinheiros, São Paulo - SP Inscrições: https://www.sympla.com.br/treinam-talks-2024__2540643

Não perca essa chance de transformar sua carreira musical com o TREINAM TALKS. Inscreva-se agora e junte-se a uma comunidade de mulheres talentosas e inspiradoras que estão moldando o futuro da música no Brasil. Esperamos você para um dia de aprendizado, networking e muita música!

2 visualizações0 comentário

Tradução da matéria: https://pt-br.ra.co/news/80706


Quando o o 51st State, evento de um dia em Londres, foi cancelado um mês atrás, e se tornou o 44º festival do Reino Unido a fazer isso em 2024.


As razões para o cancelamento do 51st State — baixa venda de ingressos, altos custos operacionais e um desinteresse geral causado pela crise do custo de vida — são bastante comuns. Embora estejamos apenas na metade de 2024, o número de festivais cancelados ou adiados no Reino Unido já superou amplamente os 36 eventos do ano passado, chegando agora a 50. Além do 51st State, o Riverside Festival em Glasgow, o El Dorado em Herefordshire e o Ampthill em Bedfordshire também anunciaram cancelamentos recentemente.

"Sabemos que não estamos sozinhos", dizia o comunicado do El Dorado. "Houve uma falta de apoio governamental em nosso setor, com muitos festivais independentes anunciando seus últimos anos, reduzindo suas capacidades ou sendo forçados a cancelar."

A situação não é única no Reino Unido. O lendário festival alemão Melt confirmou que 2024 será seu 27º e último ano, citando "mudanças intransponíveis no cenário dos festivais." O Saristra Music & Arts na Grécia cancelou devido a dificuldades financeiras, assim como o Vibiscum, um festival suíço que cancelou após vender menos da metade dos seus 18.000 ingressos.

Outros, como o Dark Mofo na Austrália e o Body & Soul na Irlanda, além do Bluedot, Visions e Connect Music Festival no Reino Unido, decidiram tirar um ano de folga na esperança de que as condições melhorem em 2025.

Seria fácil descartar essa onda de cancelamentos como um subproduto inevitável do clima econômico global. Afinal, os preços dos combustíveis subiram exponencialmente após a invasão da Ucrânia pela Rússia, e os consumidores financeiramente apertados têm cortado gastos com itens de luxo — como festivais. Mas John Rostron, CEO da Associação de Festivais Independentes (AIF), acredita que a situação é mais complexa.

"É efetivamente um impacto de credibilidade para os organizadores de festivais", disse ele ao Resident Advisor. "Antes da pandemia, os festivais floresciam e, na maior parte, geravam lucro. Eles tinham dinheiro de várias fontes diferentes: investimento, adiantamentos das vendas de ingressos e dinheiro no banco de anos anteriores. Então os fornecedores podiam dizer, 'Paguem-nos dez por cento agora e os 90 restantes após o show.'"

Ele continuou: "Isso tudo foi por água abaixo desde a Covid-19. Os festivais esgotaram todas as reservas que tinham para se manter durante os anos em que não houve eventos. Então, quando os eventos retornaram, mesmo alguns festivais que esgotaram os ingressos perderam dinheiro porque definiram seus preços e orçamentos em 2020 para um evento que ocorreu dois anos depois. Nesse meio tempo, os preços subiram devido à Covid-19, Brexit e outros fatores. Agora, seus fornecedores estão pedindo 50 a 60 por cento adiantado devido às flutuações na cadeia de suprimentos. Então, se as vendas de ingressos desacelerarem, você de repente não tem a liquidez para pagar as contas. Este é o grande problema para os festivais."

Em resposta, a AIF lançou a campanha fivepercentforfestivals, instando o governo do Reino Unido a reduzir o IVA sobre as vendas de ingressos de festivais de 20 para cinco por cento por um período temporário de três anos. "Reduzir essa taxa para cinco por cento, como foi feito durante a pandemia, teria salvo a grande maioria dos eventos que tiveram que cancelar este ano", acrescentou Rostron.

Este terreno desafiador também foi agravado por uma mudança no comportamento do público nos últimos anos. Diferenças nos gostos musicais e hábitos de festa entre millennials e Gen Z significam que alguns promotores têm dificuldade em atrair ambos os grupos demográficos com suas programações.

"Isso definitivamente se tornou mais perceptível desde a Covid-19", disse Liam O'Shea, fundador do festival No Bounds de Sheffield. O evento está de volta para 2024 após ter sido cancelado no ano passado devido ao que O'Shea descreveu como condições "extremamente desafiadoras."

"É difícil identificar tudo, mas parece que os jovens estão fazendo outras coisas com seu tempo em vez de ir a festivais e festas/baladas", ele disse ao RA. "Também parece que estão descobrindo tendências pelas redes sociais, em vez de realmente sair para experimentar subculturas ou cenas, o que está mudando drasticamente o cenário."

Dave Clarke, diretor do Riverside Festival, reconheceu esse obstáculo, mas disse esperar que as coisas eventualmente se estabilizem. "É um desafio, mas é um desafio que podemos abraçar", ele disse ao RA. "Os gostos das pessoas se desenvolvem e evoluem, e isso continuará acontecendo desde que os locais e eventos sobrevivam a este período difícil."

Riverside é um dos poucos festivais escoceses forçados a cancelar este ano. Outro é o PLTFRM, um fim de semana de techno que se tornou uma vítima da burocracia quando o Conselho Municipal de Glasgow não autorizou sua licença a tempo. "Seguimos os mesmos procedimentos nos últimos 11 anos e até fornecemos mais documentação desta vez", disse o festival em um comunicado. "Descobrir isso é frustrante, destruidor de almas e agora resulta em uma enorme perda logística e financeira."

O Danube Festival da Alemanha teve uma experiência igualmente frustrante ao tentar obter uma permissão para um local ao ar livre em Brandenburg. Após uma longa batalha legal — que custou mais em honorários advocatícios do que toda a programação do festival — Danube finalmente aceitou a derrota e se mudou para um local fechado em Berlim.

"A Alemanha é conhecida por sua loucura burocrática", disse o fundador Marc Heinze ao RA. "Eu preferiria muito mais focar na organização do festival, em vez de constantemente falar com advogados e juízes. Isso tira um pouco da diversão."

Josepha Groesgen, cofundadora do Fluid Festival da Alemanha, não teve tanta sorte. Falando ao RA, ela disse que a decisão de cancelar estava diretamente ligada ao aumento da extrema-direita. O Fluid foi forçado a se realocar para 2024 depois que uma edição anterior, realizada em uma localização rural em Brandenburg, foi interrompida por membros de um partido local de extrema-direita, que entraram no local do festival e atacaram os participantes.

"Queríamos encontrar um novo local para o festival em algum lugar entre Berlim e Hamburgo, pois é de onde vinha a maioria de nossos convidados", disse Groesgen. O Fluid entrou em contato com mais de 200 locais potenciais e finalmente encontrou um local adequado no final de dezembro, mas o atraso no anúncio do festival teve um impacto nas vendas de ingressos. "Operamos em um ambiente que está lutando cada vez mais para realizar eventos sem fins lucrativos e garantir espaços seguros", ela continuou.

A saturação excessiva é outro fator que muitos promotores dizem estar dificultando a viabilidade econômica dos festivais. Clarke acredita que isso afetou as vendas de ingressos do Riverside. "Todos têm o direito de organizar seu próprio evento ou tentar algo diferente", ele disse. "Mas a quantidade enorme de festivais de música eletrônica ao ar livre com os quais estávamos competindo dificultou as coisas."

Yas Galletti, diretora do grupo We Are The Fair, tende a concordar. A empresa de produção de festivais "definitivamente aumentou" sua carga de trabalho nos anos após a pandemia, ela disse ao RA. "Acho que a principal questão deste ano é: 'As pessoas podem pagar por vários festivais no clima atual? Os promotores podem suportar as compras de última hora e o enorme risco financeiro que vem com isso?' Não tenho certeza. Provavelmente veremos isso neste verão. Já vimos alguns festivais caírem no esquecimento devido a vendas de ingressos atrasadas ou lentas, e outros reduzindo o tamanho. Com isso em mente, acho que pode estar saturado demais para o clima financeiro atual do país."

Mas nem todos sentem isso. James Rice é o ex-chefe de marketing dos festivais Dimensions e Outlook, organizados no Reino Unido, e também trabalhou no Project 6, um dos sete festivais de música dance que aconteceram em Londres durante o segundo fim de semana de feriado bancário em maio. Ele acredita que isso reflete uma demanda crescente.

"Não acho necessariamente que esteja saturado demais", ele disse ao RA. "Definitivamente, há mais eventos, mas isso é algo emocionante de ver. Isso apenas mostra quantas pessoas são apaixonadas pelas cenas nas quais estão se inserindo e representando."

Independentemente das razões por trás da onda de cancelamentos em 2024, Galletti ressaltou como pode ser difícil e implacável organizar um festival — algo que ela instou os frequentadores de festivais a manterem em mente.

"Para aqueles que frequentam festivais, estejam cientes de como é desafiador organizá-los", ela disse. "A maioria das pessoas que os organizam trabalha muito e faz isso por amor. Se houver um pequeno problema, é ótimo receber seu feedback, mas tente pensar em quantas partes móveis há para gerenciar. Há também muito a dizer sobre o comportamento do público e seu impacto no futuro das licenças de festivais, mas essa é uma história para outro dia."


Foto: Colin Lloyd Matéria traduzida com IA.

2 visualizações0 comentário
  • Foto do escritorTreinam Mentorias


Gradualmente, sabemos que as mulheres têm conquistado cada vez mais espaço no cenário da música, quebrando barreiras e demonstrando determinação e competência em todas as áreas da indústria. Apesar disso, ainda há desafios a serem encarados, principalmente no que diz respeito à igualdade de oportunidades e à visibilidade no mercado da música. É nesse contexto que iniciativas como a Treinam surgem e se destacam, não apenas como uma plataforma de capacitação, mas como um movimento potente de mulheres na música.

A Treinam - Turma Remota de Ensino Intensivo para Artistas Mulheres - se consolida como muito mais que um programa de treinamento online. É um manifesto de resistência, uma afirmação da potência e garra das mulheres na música em coletividade. Idealizado para capacitar musicistas, a Treinam é um programa personalizado , único e completo de autogestão e music business. No treinamento , são apresentadas ferramentas e conhecimentos necessários para se destacarem neste mercado, desafiador e majoritariamente masculino.

Ao promover a profissionalização das musicistas em diferentes aspectos, a Treinam contribui para a transformação da mercado da música, fazendo a sua parte para que seja um ambiente muito mais equânime, inclusivo e diverso.

A Treinam estimula ainda a coletividade, através de sua comunidade forte e madura de musicistas brasileiras, que reflete a pluralidade de gêneros musicais, sotaques e regiões do país, enriquecendo o mercado com mais vozes e perspectivas artísticas.

Treinam Apresenta: Celebrando Mulheres na Música

Como extensão da Treinam, o "Treinam Apresenta" é o festival autoral exclusivo para as alunas do programa, onde as mesmas têm a oportunidade de mostrar sua arte em um ambiente acolhedor e receptivo. Mais do que uma simples apresentação, o Treinam Apresenta é a manifestação da comunidade Treinam, e a concretização da diversidade e a criatividade artística das nossas alunas-artistas, características que tornam nossa indústria bem mais rica e vibrante.

Em um mercado da música ainda marcado por desafios, entre eles, a desigualdades de gênero, iniciativas como a Treinam são fundamentais não apenas para capacitar e revelar artistas mulheres de todo o país, mas também promover uma mudança estrutural que torne o setor mais inclusivo e equânime. Ao investir em mulheres na música, a Treinam não só transforma vidas individuais, mas também contribui para a construção de uma coletividade consciente de mulheres musicistas que, cada uma a sua maneira e juntas, tornam o mercado mais justo, refletindo toda a riqueza da diversidade artística do país.

12 visualizações0 comentário
bottom of page