Buscar
  • Treinam Mentorias

A maior venda de NFT veio de um desistente de escola de negócios que se tornou um famoso DJ

Escrito por Abram Brown para a Forbes, traduzido por Izabel Muratt.

Justin Blau, também conhecido como 3LAU, fez suas primeiras gravações como DJ. Ele espera que seu sucesso com os NFTs abra caminho para músicos - e outros artistas - desenvolverem novos fluxos de receita. A família Blau se reuniu no fim de semana passado para comemorar algumas coisas: a segunda e última vacinação da Covid para o vovô Blau - e o leilão multimilionário ao vivo na internet com um tipo de cripto moeda recém em ascensão realizado por Justin Blau, de 30 anos, o anfitrião do clã, em sua casa no subúrbio de Las Vegas. Blau, que é mais conhecido como a estrela da música eletrônica 3LAU, estava vendendo 33 tokens não fungíveis, ou NFTs, por vários preços, marcando o aniversário de três anos de seu álbum Ultraviolet. Um NFT é um colecionável digital negociado no blockchain. O NFT mais caro na venda de Blau, por exemplo, incluía uma música personalizada, acesso a músicas nunca antes ouvidas em seu site, arte personalizada baseada em sua música e novas versões das 11 músicas originais do Ultraviolet (em uma decisão um tanto incomum, o comprador do token também receberia um objeto físico, uma edição em vinil do álbum). O leilão ocorreu de quinta a domingo e, na noite final, parecia destinado a estagnar em torno de um total de $ 1 milhão. Mas Blau tinha gamificado a conclusão do leilão. Depois de atingir os três minutos finais, qualquer um que aumentasse um lance reiniciaria o relógio em T-menos três minutos.


O reset ocorreu mais de 40 vezes, prolongando o leilão por várias horas, uma surpresa para Blau e toda sua família. “Estávamos todos torcendo e aí todos pararam de falar”, diz Blau, refletindo sobre a venda pela primeira vez. Ele dá uma risada curta e incrédula. "Confie em mim, eu não sabia que chegaria a tanto."

A noite terminou com $ 11,7 milhões, estabelecendo vários novos recordes. Não foi apenas a maior venda de NFT de todos os tempos, mas os $ 3,6 milhões pagos pelo token mais caro do leilão foram classificados como o NFT mais caro já vendido em uma oferta inicial (apenas um outro NFT foi ainda mais longe: uma obra de $ 6,6 milhões do artista Beeple vendida no mercado de reposição na semana passada). O leilão de Blau foi o último momento de virada em meio a uma explosão de tokens nos últimos dois meses. A tecnologia traz uma mudança importante para o mercado de arte digital: antes, era difícil - quase impossível - autenticar um trabalho online como original, reduzindo muito seu valor. Mas o código exclusivo dos tokens torna possível provar a procedência e, com o problema de propriedade resolvido, as pessoas estão mergulhando nesse universo, comprando vários tipos de mídia virtual. Quase US $ 50 milhões em vendas de NFT ocorreram na semana passada, de acordo com a Nonfungible.com, que monitora esse mercado. Ao todo, fevereiro registrou US $ 179,4 milhões em tais transações, mais do que o dobro do valor durante todo o ano de 2020.

Correndo para encontrar essa multidão de compradores entusiasmados, milhares de artistas digitais estão ansiosos para capitalizar sua atenção. E entre esse conjunto, Blau, tendo nutrido um interesse em criptografia por quase uma década, consolidou-se como o nome mais cobiçado do espaço, orquestrando de forma confiável suas vendas. Depois de montar mais de 15 leilões desde setembro e arrecadar cerca de US $ 13 milhões, Blau é “o líder do pensamento - o padrão ouro”, diz o pseudônimo WhaleShark, um dos maiores colecionadores de NFT. Ele pagou $ 3,5 milhões por um token 3LAU na última oferta. “Não estou nem exagerando. Ele tem um grande conhecimento comercial e técnico que se equilibra com sua habilidade artística.”

Como o WhaleShark aponta, os NFTs existem em uma intersecção de negócios, tecnologia e cultura, um lugar natural para Blau. Ele estudou economia e finanças na Washington University em St. Louis, mas passou a maior parte do tempo aprimorando suas habilidades de DJ em festas de fraternidades. Depois de recusar um estágio na Black Rock, a gigante administradora de ativos, ele desistiu como um veterano em ascensão. Não é novidade que seus pais se opuseram - até que eles receberam um telefonema de um dos professores de economia de Blau. O professor examinou o fluxo de renda de seus shows, compareceu a vários de suas apresentações e concluiu que Blau tinha uma grande chance de sucesso. (“Ele achou que as chances eram muito grandes para não me deixar fazer isso”, diz Blau). Acontece que o professor estava certo. Em poucos anos, Blau estava tocando nos maiores festivais de música do mundo, como o Electric Zoo de Nova York e o Lollapalooza de Chicago, ao lado de artistas como Marshmello, Afrojack e Steve Aoki.

Quando abriu para Avicii no México em 2014, ele foi apresentado a Cameron e Tyler Winklevoss, os colegas de Harvard de Mark Zuckerberg que estavam se tornando fortemente interessados ​​em criptografia. “Eles me convidaram para ficar em sua casa em L.A. durante a semana do Grammy no ano seguinte”, lembra Blau. “E eles estavam falando sobre bitcoin. Fiquei imediatamente fascinado por ele.” Ele sugou o máximo que pôde lá e também procurou o capitalista de risco Keith Rabois, pedindo-lhe que sugerisse outros contatos dentro do mundo criptográfico emergente (os dois foram apresentados pelo amigo em comum JD Ross, que fez faculdade com Blau e fundou a OpenDoor com Rabois). “Não é surpresa para mim que Blau tenha tido um papel pioneiro [em NFTs]. Ele está estudando criptografia há anos ”, diz Rabois.

O resultado de seus estudos: um plano de arrecadação de fundos e montagem de um festival por meio de uma oferta inicial de moedas (esses chamados ICOs se transformaram em uma bolha durante 2017 e 2018, cunhando um grande número de fortunas passageiras). Por fim, Blau decidiu descartar o plano da ICO, temendo que a oferta pudesse entrar em conflito com as autoridades. “Tive ótimos advogados”, disse ele. “Não queríamos fazer nada de errado.” Ele deu continuidade ao festival, permitindo que os participantes usassem criptografia para comprar ingressos, mercadorias, alimentos e bebidas, entre outros itens.

Enquanto Blau estava pensando em sua incursão inicial na criptografia, os NFTs ainda eram uma ideia incipiente. O interesse inicial nos tokens foi impulsionado principalmente pelos CryptoPunks e CryptoKitties, dois conjuntos de imagens de desenhos animados colecionáveis ​​comprados da mesma forma que as gerações anteriores adquiriam cartões de beisebol ou bonecos Cabbage Patch (originalmente oferecidos gratuitamente, os CryptoPunks e CryptoKitties agora são revendidos por seis ou sete dígitos). Blau não se agarrou à ideia de vender NFTs até que o Covid interrompeu o negócio de turnês musicais, minando os artistas de sua principal fonte de renda. Ele estava tentando recuperar parte dos ganhos perdidos e abrir um caminho para ele e outros artistas interessados ​​em um fluxo de receita que eles próprios controlavam - longe de produtores e gravadoras.


Em setembro, sua primeira venda NFT rendeu $ 23.000 de tokens vinculados a vídeo-animação sobrepostos com novas músicas 3LAU. Para os visuais, Blau recorreu a um colaborador familiar, um artista ousado conhecido como “Slimesunday” (com meio milhão de seguidores no Instagram, Slimesunday está em uma luta permanente com a rede social, que muitas vezes tenta remover suas colagens digitais por julgarem infringir as diretrizes de conteúdos com teor sexual). Ele já havia feito a arte do álbum Ultravioleta original de Blau em 2017 e contribuiu para o Videoclipes de DJs, e ele entendeu bem o potencial de um NFT. “Muitos artistas digitais estão levando isso muito a sério porque estão todos na mesma situação que eu: sua arte está sendo roubada o tempo todo. . . . outra pessoa pode alegar ser a autora, se ela quiser ”, diz Slimesunday. Os NFTs apresentam “uma forma verificável de provar de onde veio a arte digital e validada como sendo algo que veio de mim”. Slimesunday estima que ganhou mais de $ 600.000 nos últimos 12 meses quase inteiramente por meio de vendas NFT, a maioria feita em parceria com 3LAU. Antes, um bom ano costumava ser $ 50.000.

A venda que bateu o recorde no fim de semana passado foi um pouco diferente da maioria das ofertas de NFT. A maior diferença da prática comum, foi a de que o leilão ocorreu no próprio site pessoal de Blau. A maioria dos NFTs é comprada em uma das grandes bolsas, como a OpenSea e a Nifty Gateway, de propriedade da Winklevoss. A decisão de Blau de controlar todo o evento provavelmente aponta para o que os futuros artistas focados em suas marcas podem fazer, escolhendo montar um site personalizado em vez de passar por um mercado de terceiros - concedendo a estes artistas a capacidade de adicionar recursos extras, como o relógio que está reiniciando, algo que Blau acha que ajudou muito a subir os preços. “Chamou a atenção de toda a indústria musical”, diz Matthew Liu, cofundador da Origin Protocol, a startup NFT que criou a página personalizada de Blau. “Grandes gravadoras e artistas estão explodindo nossas DMs e nossas caixas de entrada agora.” Blau está preparando planos para outra venda em 12 de março, embora possa não ser outro recordista: ele está considerando fixar o preço desses tokens a taxas mais baixas para atrair novos compradores para o espaço.

Embora a empolgação em torno dos NFTs certamente seja abundante, também aumentam as críticas de que os tokens são apenas a última coisa na criptografia a desencadear uma mania. Blau não discorda totalmente. “Os preços são loucos. Muitas pessoas também estão especulando sobre isso. Temos que reconhecer isso - temos que reconhecer o fato de que isso está um pouco fora de controle ”, diz ele. Mas ele é rápido em uma resposta contra os críticos mais depreciativos. “Eles estão dizendo: 'Por que essa arte digital está valendo tanto dinheiro? Eu poderia copiar isso." 'Bem, eu poderia copiar a Mona Lisa e colocá-la na minha parede. Isso não significa que eu possua o original. ”

Matéria original: https://www.forbes.com/sites/abrambrown/2021/03/03/3lau-nft-nonfungible-tokens-justin-blau/?sh=438396094643


7 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Sites de streamings falsos são derrubados no Brasil

Escrito por Murray Stassen. Traduzido por Izabel Muratt. A IFPI, organização que representa a indústria da música gravada em todo o mundo, e seu grupo nacional, Pro-Música Brasil, revelaram uma série